Golpes no WhatsApp podem aumentar a conta do seu celular. Saiba como fugir deles

Quem busca descontos em passagens aéreas ou descobrir com quem os amigos conversam no WhatsApp pode acabar pagando caro na conta de telefone ou ver a bateria durar menos. O funcionamento dos ataques é parecido: uma oferta de um aplicativo, serviço ou promoção chega até um usuário via mensagem pelo WhatsApp; antes de aproveitar a dica, ele tem de compartilhá-la com contatos. Só que, mesmo fazendo tudo corretamente, não há recompensa. No melhor dos cenários, o celular dele acaba com um app indesejado sendo instalado, que consome bateria e exibe propagandas. Nos piores casos, a conta vai sair mais cara no fim do mês por causa de serviços de SMS e gastos com pacote de dados. É importante ficar atento: os criminosos sempre criam novas iscas. Confira algumas fraudes que circularam pelo WhatsApp em 2016.

Veja quem visitou seu perfil.
Uma mensagem no WhatsApp com link promete mostrar quem “xeretou” ou visualizou seu “perfil” no WhatsApp. A fraude tenta convencer a vítima a acessar um link e depois compartilhar esse mesmo link para os seus contatos. Caso a vítima caia no golpe, os serviços via SMS cadastrados pela vítima têm custo e o valor será cobrado na fatura do celular ou descontado dos créditos.

Pokémon Go Pro.
Promete uma versão “melhorada” do jogo Pokémon Go. A vítima recebe uma mensagem no WhatsApp prometendo o download de uma versão inexistente do jogo Pokémon Go. Mas o usuário acaba baixando um “adware” – um programa que exibe propagandas. Em alguns casos, essas propagandas podem oferecer serviços de SMS premium e o custo cobrado direto na fatura ou descontado dos créditos.

Como espionar conversas no WhatsApp.
Este golpe afirma que pode descobrir com quem seus contatos estão conversando com o “WhatsEspião”. O aplicativo baixado não possui a função prometida e exibe propagandas no celular.

Videochamada do WhatsApp.
Promete realizar chamadas em vídeo pelo WhatsApp. Antes de habilitar o suposto recurso, o usuário precisa encaminhar o link malicioso para dez amigos no WhatsApp. Depois, é preciso informar o número de telefone. No fim, a vítima verá mensagens que relatam problemas falsos no celular e que oferecem “atualizações de sistema” para “consertar” os danos, tentando assustar a vítima a ponto de ela efetuar o download. Essa tática é usada para promover “software suspeito de benefício limitado”. O aplicativo pode introduzir falhas, mostrar mensagens mentirosas sobre problemas no celular e até fazer cobranças para solucionar problemas que não existem.

Descontos e promoções de produtos e serviços.
Este oferece cupons de desconto em restaurantes ou passagens aéreas de graça. A vítima recebe de um contato o link para uma página com supostos cupons de desconto para produtos e serviços. Para ter acesso, ela precisa compartilhar o link com dez amigos ou três grupos. A vítima também precisa fazer o download de um aplicativo fraudulento. Essa fraude oferece cupons com promoções falsas. A vítima pode ser cadastrada em serviços pagos de SMS que são cobrados na fatura ou descontados dos créditos.

Crédito para o celular.
A vítima recebe uma mensagem oferecendo 25 reais em crédito para o seu celular. Caso clique no link, terá que encaminhar a mensagem para os seus amigos ou grupos, exatamente como nas outras fraudes. No fim, é preciso informar o número do celular, o que pode resultar em um cadastro em serviços de SMS. O crédito, claro, jamais é ganho.

Dicas.
Qualquer oferta que exija que você compartilhe um link com seus contatos, seja no WhatsApp ou no Facebook, é suspeita. Fique também atento a qualquer SMS que informe que seu celular foi cadastrado em serviços. Finalmente, não instale aplicativos fora da loja oficial do seu aparelho celular e, mesmo que o aplicativo esteja cadastrado na loja, é muito raro que um desconto ou serviço necessite da instalação do referido aplicativo para funcionar.

 

Fonte: Jornal O SUL em 27/11/16